30/08/2017 09:35

A proteção da Amazônia não é um simples capricho

Quais são as ações que matam diariamente uma parte do bioma?



           O bioma Amazônia tem uma grande extensão territorial com uma enorme riqueza e abundância de espécies, sendo estas características exclusivas que tanto chamam a atenção do mundo. Entretanto, a Amazônia enfrenta um grande desafio: a manutenção de sua existência.

           Embora pareça algo simples, a conservação da floresta enfrenta ameaças todos os dias. Grilagem de terras, desmatamento, queimadas e exploração de recursos mineiras são as ações que matam diariamente uma parte do bioma. Em 2016, estima-se que a Amazônia perdeu quase 8 mil quilômetros quadrados (1 campo de futebol tem 10.000 metros quadrados) o que equivale a 800 campos de futebol. Uma área enorme que se perdeu. É verdade que o cenário já foi pior. Mas ainda está muito longe do ideal. Os estados que mais desmatam são Pará, Mato Grosso, Rondônia e Amazonas, respectivamente.

            Existe um grande aparato legal (código, leis, decretos, resoluções CONAMA, entre outros) que focam na proteção dos recursos naturais, como a criação e gestão de áreas protegidas, como as unidades de conservação (parques nacionais, reservas extrativistas, reserva biológica, entre outras), terras indígenas, áreas de preservação permanente e reserva legal. No entanto, o sucateamento dos órgãos ambientais (federais, estaduais e municipais), enfraquecem a capacidade de gestão e fiscalização, bem como a puniçãoaos infratores. Soma-se a esse fato a presença de grandes grupos (agro)empresariais em todas as esferas de poder que acabam por atuar em benefício próprio e criam mecanismo para a degradação da floresta.

            Dados do Museu Emílio Goeldi apontam que em nenhum lugar do mundo existem mais espécies de animais e de plantas do que na Amazônia, tanto em termos de espécies habitando a região como um todo (diversidade gama), como coexistindo em um mesmo ponto (diversidade alfa). Entretanto, apesar da Amazônia ser a região de maior biodiversidade do planeta, apenas uma fração dessa biodiversidade é conhecida. Portanto, além da necessidade de mais inventários biológicos, um considerável esforço de amostragem também é necessário para se identificar os padrões e os processos ecológicos e biogeográficos.A riqueza da flora compreende aproximadamente 30.000 espécies, cerca de 10% das plantas de todo o planeta. São cerca de 5.000 espécies de árvores (maiores que 15cm de diâmetro), enquanto na América do Norte existem cerca de 650 espécies de árvores. A diversidade de árvores varia entre 40 e 300 espécies diferentes por hectare, enquanto na América do Norte varia entre 4 a 25. O número de espécies de peixes na América do Sul ainda é desconhecido, sendo sua maior diversidade centralizada na Amazônia. Estima-se que o número de espécies de peixes para toda a bacia seja maior que 1300, quantidade superior a que é encontrada nas demais bacias do mundo.As aves constituem um dos grupos mais bem estudados entre os vertebrados, com número de espécies estimado em 9.700 no mundo. Na Amazônia, há mais de 1000 espécies, das quais 283 possuem distribuição restrita ou são muito raras. A Amazônia é a terra dos grandes Cracidae (mutuns), Tinamidae (inhambus), Psittacidae (araras, papagaios, periquitos), Ramphastidae (tucanos e araçaris) e muitos Passeriformes como por exemplo, os Formicariidae, Pipridae e Cotingidae.

            A proteção da Amazônia não é um simples capricho ou coisa de ecochato, mas sim um dever de todos nós habitantes do planeta Terra.

#BrasilSemFloresta #Amazônia