13/02/2017 15:12

Qual é o preço de incremento de produção?

Com respaldo em tecnologia refinada, soja promete atingir novo patamar de produtividade dentro de uma década



Qual o preço que estamos dispostos a receber para aceitar a degradação ambiental? Pergunta complicada, não? Na verdade, é muito simples, mas requer foco nas principais questões que nos cercam. Por exemplo, a notícia de que estamos a cada ano aumentando o nosso recorde de produção de soja é algo positivo, certo? Não é bem assim...  Vejam só a notícia apresentada:

A Revolução Verde, isto é, o uso de insumos na agricultura e a sua mecanização possibilitaram a produção em larga escala de alimentos em todo o mundo. Situação que permitiu o abastecimento de diferentes mercados e o sustento alimentar dos bilhões de habitantes do planeta. Com o incremento tecnológico, novos ambientes até então inviáveis (terreno desnivelado, solo pobre, escassez de água, temperatura inadequada, entre outros) puderam ser explorados. Situação que possibilitou a expansão da fronteira agrícola sobre os remanescentes naturais levando a destruição de ecossistemas, como o Cerrado na região central do Brasil. Com a agricultura no centro do país, a pecuária segue firme mais a frente, invadindo a região amazônica, aumentando a degradação ambiental. É uma parceria nefasta, agricultura e pecuária em larga escala.

O aumento da produtividade poderia ser uma excelente notícia, mas a questão é: qual é o preço de incremento de produção? Mais adubo químico no solo; o uso de sementes modificadas geneticamente – não esqueçam do pagamento de patentes pelo uso das sementes e a incerteza de seu efeito sobre a saúde humana e de outras espécies; o aumento do uso de mais agrotóxicos -  lembrem que somos os campeões mundiais em uso de venenos na lavoura e de contaminação de alimentos que chegam em casa. Elementos estes que conduzem a degradação ambiental em larga escala. As monoculturas acabam por deixar ilhados os remanescentes naturais, cercando-os e matando-os, reduzindo drasticamente a biodiversidade.

Além disso, devemos adicionar outro ponto. A maior parte de toda essa soja produzida não chega ao prato do Brasileiro (e a soja que fica aqui é destinada a alimentação animal, o gado), ela segue para a exportação onde vai ser beneficiada aumento o valor. Portanto, o Brasil internaliza a degradação ambiental e vende a sua matéria-prima para outros países. E aí, preço alto não!?

#AsojaCobraUmPreço